Boys para sempre

1º semana. É possível parar o envelhecimento ?
2º semana: Junta-te a nós e pára de envelhecer, agora
3º semana: 
Desaprendendo de envelhecer   
4º semana: A tua aparência de amanhã depende de hoje.
5º semana: Somos aquilo que pensamos e comemos
6º semana:
Pára de mentir a ti próprio  NOVO!
Fotos:  Eles não envelheceram 
Perguntas e respostas   Aqui respondo a todas as vossas duvidas. Escrevam

Simulação. Se John Depp aderisse ao nosso método, ele poderia ter a imagem da foto
á direita... aos 70.

Desaprendendo de envelhecer


O que nos envelhece ?

As nossas células estão constantemente a bisbilhotar os nossos pensamentos e a ser modificadas por ele. Um surto de depressão pode destruir o nosso sistema imunológico; o pensamento positivo, ao contrário, pode fortifica-lo tremendamente.  O desespero, e as emoções negativas (raiva, inveja, preconceito...) envelhecem e aumentam o risco de contrair doenças, encurtando a vida. A alegria e a realização mantêm-nos saudáveis e prolonga-nos a vida. Isto significa que a linha entre a biologia e a psicologia não pode, na verdade, ser traçada com grau de certeza. A recordação de uma situação de estresse, que não passa de um fio de pensamento, liberta o mesmo fluxo de energia destrutiva que o setresse propriamente dito.

Podemos parar esse processo ?

Pelo facto de a mente influenciar cada célula existente no  nosso corpo, o envelhecimento humano é um processo fluido e mutável; pode ser acelerado, reduzido, parar por algum tempo e até mesmo reverter-se. Centenas de descobertas, fruto de pesquisas realizadas nas três últimas décadas, e através da minha própria experiência, comprovam que o envelhecimento é muito mais dependente do indivíduo do que se pensa.

E como faze-lo ?

Para desafiarmos o envelhecimento na sua essência temos de pôr em causa toda essa visão do mundo, que transformou crenças em regras, pois ninguém dispõe de mais poder sobre o corpo de que as crenças da nossa mente.

Cada preposição desse velho paradigma pode ser substituído por uma versão mais completa e expandida da verdade. Estas novas convicções que pretendemos propor aqui, tb são apenas ideias criadas pela mente humana, mas concedem-nos muito mais liberdade e poder. Elas oferecem-nos a capacidade de rescrever o programa de envelhecimento que actualmente comanda as nossas células.

O primeiro paço para parar de envelhecer, agora, e começar a reaver o controlo total das nossa vida e dos nossos pensamentos, é acreditar que isto é possível.

A maioria dos nossos pensamentos e crenças foram sendo plantados na nossa cabeça. E só uma ínfima parte destes é fruto da reflexão e da evolução pessoal.

A bioquímica do corpo é um produto da consciência. Crenças, pensamentos e emoções criam as reacções químicas que sustentam a vida de cada célula.

Uma célula que envelhece é o produto final da consciência que deixou de acreditar que é jovem.

A percepção parece ser automática, mas na verdade é um fenómeno aprendido. O mundo onde vivemos, a contar com a experiência do nosso próprio corpo, é completamente ditado pelo modo como aprendemos a compreende-lo. Se mudarmos a nossa percepção, mudamos a experiência do nosso corpo e do nosso mundo.

Impulsos de inteligência recriam o nosso corpo em novas formas a cada segundo. Ao mudarmos os nossos padrões, estamos tb a mudar o nosso corpo.

"Não somos vítimas do envelhecimento, da doença e da morte. Essas coisas fazem parte do cenário, não daquele que vê, o qual é imune a qualquer forma de mudança. Este que observa é o espírito, a expressão do ser eterno".
Deepak Chopra

  O pão velho azeda porque fica para ali, vítima da humidade, dos fungos, da oxidação e de vários processos químicos destrutivos. Uma parede de calcário desmorona-se com o tempo porque é fustigada pelo vento e pela chuva e porque não tem poder para se reconstruir. O nosso corpo tb é submetido ao mesmo processo de oxidação e é atacado por fungos germes expondo-se ao mesmo vento e á mesma chuva. Mas, ao contrário de um muro de calcário ou de um pedaço de pão, nós somos capazes de nos renovar. Os nossos ossos não se limitam a armazenar cálcio da mesma maneira que o muro - eles actuam de modo a fazer circular o cálcio. Os átomos novos de cálcio entram constantemente nos ossos e saem para se transformar em parte do sangue, pele ou outras células de acordo com as necessidades do corpo.

A fim de permanecer vivo, o corpo deve encontrar-se nas «asas» da mudança. Neste exacto momento, estamos a exalar átomos de hidrogénio, oxigénio, carbono e nitrogénio que há um instante antes estavam presos numa matéria sólida; o estômago, fígado, coração, pulmões e cérebro estão a desvanecer-se no ar, sendo substituídos tão rápida e interminavelmente como se vão desgastando. A pele renova-se uma vez por mês, o revestimento do estômago a cada 5 dias, o fígado de 6 em 6 semanas e o esqueleto de 3 em 3 meses. A olho nu, esses órgãos parecem os mesmos a cada momento em que são examinados, mas na verdade, estão sempre em fluxo.

Lá pelo final do ano, 98% dos átomos do nosso corpo terão sido substituídos por outros.

Porque é que, por vezes, parecemos envelhecer mais num espaço de meses do que aquilo que envelhecemos durante anos ?

O corpo humano é capaz de se refazer mil vezes e tropeçar exclusivamente num instante de desesperança e pessimismo. As mazelas invisíveis na perfeição do corpo têm muita importância.


Se queres parar de envelhecer, agora, tens de começar por assumir o não envelhecimento como uma verdadeira obsessão. Pois só uma verdadeira obsessão  será capaz de derrotar a programação a que o teu cérebro (sobretudo o teu inconsciente) foi submetido durante os anos da tua existência.  A ideia é forçar a nossa mente a encarar o não envelhecimento de uma forma totalmente natural.

Escreve estas frases na tua mente e tenta concentrar-te nelas durante todo o tempo

1 - Eu sou uma pessoa saudável e feliz

2 - Eu quero evoluir, sempre

3 - Eu vou ficar cada vez melhor com a idade.
Mais bonito, mais saudável, mais inteligente, mais sábio, mais feliz...

Na página seguinte:
A nossa saúde e aparência de amanhã,
depende daquilo que fizermos por nós, hoje.




Comentar

Voltar ao topo da página